sábado, 14 de fevereiro de 2009

Mais uma vez dói.

E lá vem eu em pleno sábado de calor -mas isso pouco interessa, falar da minha dor. E ver quem quer. Tenho sentido tanta dor, dor que se afasta do meucomportamentocomum, que as vezes me parece mentira. E o que mais dói é que não sei se os acontecimentos merecem tanto de mim, será que é fase de transição, renovação? Fico pensando por horas, em noites, esperando que disso tudo surja uma luz, dizendo pra mim bem baixinho: vai passar, vai passar. Vai passar, idiota. É, idiota, porque nem mais carinho comigo ando tendo. Ando assim, tão descuidada. Só prometendo, prometendo que no outro dia, na próxima semana, eu venho e me trato bem.

Não compreendo porque se tornou tão dificil, em um dado momento, as pessoas entenderem minha forma de ver a vida, de viver, de sentir, de ser. Porque o que faço anda parecendo tão nocivo para algumas? Essa de andar lutando pelo que sou tem me garantido tantos tropeços, tantas palavras como covarde, mentirosa, promíscua, vazia, e a partir do momento que você escolhe ser você, você sofre, sofre até mais do que quando não era. Me diz, me diz ? Porque?

Ando ouvindo que essa a quem me tornei nas últimas semanas está insuportável. Minha dor é mesmo intolerável? Então me deixa aqui, só, burra, tola, patética, destruindo o que ainda sobra e me mantém escrevendo. Juro que não incomodo, juro que não ouso me queixar, prometo que não choro - não em frente a outra face. Mas deixa doer enquanto sangra. Tenho me levado aos longos dos dias, e os únicos momentos felizes, são aqueles únicos.[melhornaofalarpranaopensaremsaudade]. Fora isso, ninguém percebe que morri. Preciso de doses de vida. Em que parte de mim encontro isso?

Tou pesada e magoada. Ando ferindo, mas não porque quero, porque não amo. Ando ferindo e estou ferida. Junto a mim, isso tudo se torna em três dores. A sua sempre se multiplica e se torna minha. Que amo? Não me restam mais dúvidas. Mas a minha certeza já não é mais suficiente. Ando mesmo parecendo que vou sumi e nunca mais voltar a cada esquina? Ando mesmo parecendo com um ser qualquer, projetado, que engana a si e não sabe se doar? Me diz, caralho, essa cara parece de moça leviana? Pareço mesmo alguém que se apoia na primeira possibilidade de carinho, afeto, sem- amar- amando ?

O que eu tenho hoje em mim? a culpa de fazer o outro sangrar, a raiva de sangrar, a fraqueza de não querer mais me explicar, uma cabeça de dor e um coração em frangalhos. E eu não peço que me entendam. Não, isso eu não peço mais. Ou te entendem ou não adianta você pedir. Essas considerações também me dói no ritmo que elas chegam, percebe-se o estrago. Não sei voltar a entrega quando o peito de alguém querido está machucado, quando eu fui a causadora. Fico de longe, implorando, rezando baixinho pra aquele coração se compor, rezando baixinho : seja, seja meu. Perdoe os cortes que fiz no seu coração. Mas não chego, fico com receio de fazer mais estragos, mesmo quando é amordeamor. É, talvez por ser amor eu só espero, e esperaria até o fim, até o longe, só eu sei [ só eu passei a saber ultimamente].
e digo, preciso...
Levanto, digo pra mim que um banho vai fazer melhor e continuo...
" Meu coração é um filme noir projetado num cinema de quinta categoria. A platéia joga pipoca na tela e vaia a história cheia de clichês.
"Hoje existir me dói feito uma bofetada."

7 comentários:

Y a s h a disse...

É incrível como cada palavra sua me veste e como eu entendo cada uma de certa forma que me trava, e não consigo falar nada.

Só te digo que esse é um momento seu. Momento. Que seja transição ou renovação, mas não deixa que interfiram no teu momento, não deixa se abalar pelo julgamento dos outros. É a sua mudança. A mudança é precisa, todo mundo passa por isso sem escolher dia e hora. Depois tudo volta ao normal, porque assim como você muda, outro também muda ao mesmo tempo, e vocês se entendem entre si, com um tempo. Dá o tempo que o tempo precisa. O seu amor não é menor ou indiferente, ele é o seu amor, da sua maneira. Não se deixa doer por julgamentos sobre você. Não fica remoendo, te dando questões, ouvindo músicas tristes. Deixa ser. E que seja, então.

Se cuida. Beijo. :*

Daniel Abreu disse...

Queria ser pra você, o que você é pra mim. Queria ser um porto mais seguro pro seu navio.

=/

.Intense. disse...

Que post doído, Van. Quase sangue. Sabe oq me lembrou? uma coisa pesada. Uma vez que me machuquei, fisicamente falando, eu própria me machuquei, enquanto chorava horrores, pra ver se a dor do que eu estava vendo acontecer, podia ser menor, ou aliviar, com a dor fisica. Loucura né? não tem nada a ver, mas foi do que eu lembrei - de alguém cravando as unhas na própria pele pra extrair alguma outra dor.

O julgamento dos outros sempre vai existir, Van. O julgamento dos outros sempre vai ser cruel - pq no fundo, ninguém tá nem aí (sequer sabe)oq a gnt sente. E quanto mais a gente assume o q é, oq quer, oq pensa, mais dificil isso fica. Sempre vai ter um preço alto a pagar, no decorrer das coisas. Mas, eu particularmente, acho um preço mais válido do que o que a gente paga quando é somente oq os outros querem - a gente paga no final, qdo se olha no espelho e não vê ninguém aqui que valha a pena.

No fim das contas, acho que não sei oq te dizer. Mas respira fundo, olha pra frente. E se cuida.

;)
;*

Jéssica disse...

Não sei o que devo falar, se devo aconselhar ou não, nem mesmo sei se entendi bem. Mas espero que melhores, que isso sare de uma vez por todas, ou que volte a sangrar, não sei, é meio estranho falar de algo que não se sabe..

Enfim...

Tô aqui se quiser falar.

;*

molin' disse...

nossa eu imagino (e sei bem como é) escrever tudo isso. cada palavra machuca. eu poderia ser bem clichê e te dar mil conselhos, que vai passar e blá e blá...
mas me limito a dizer que ainda bem que tudo se torna extremante util como lição no final. e a gente não passa por nada por acaso.
beeijos

Jacqueline Soares disse...

Já tinha deixado de lembrar que tenho uma amiga que escreve tão bem..
Uma amigaa que sentee coisas que se refletem totalmente no meu espelho.
Calma ... Calma que tudo isso passa..
Nós duas sabemos que sempre é passageiro, mesmo que algum dia venha a voltar.
Somos assim..
Vivemos de momentos e esperamos sempre que eles voltem, mesmo que n sejam na mesma intensidade!

Caféína disse...

Putz, acho que foi a melhor tradução até hoje de "viver dói"

Problema é quando machucam a gente...