quinta-feira, 17 de setembro de 2009

. Sobre casamentos .

Quem me conhece a longa data, sabe o quanto eu sou romântica, 'do tipo que ainda manda flores'.Porém, tenho a minha versão sobre casamentos, o que muita gente pode achar antirromântica. É a seguinte: Nunca sonhei com casamento, véu, grinalda, vestido branco e a igreja enfeitada com flores de laranjeira. Ou até mesmo uma pequena cerimônia no cartório.

Quando menciono isso, algumas pessoas me olham assustadas. Minhas tias costumam dizer que quem não casa na igreja não é abençoada, minha mãe diz que é maldição. Eu prefiro acreditar que seja opção. E é exatamente por ser romântica demais que penso assim. O que garante que uma união é estável? É a oficialização disso no cartório que a faz válida para o casal? Ou o juramento na frente do padre que vai fazer o amor durar 'até que a morte nos separe'? Isso tudo, pra mim, não tem efeito algum.

Não creio que um papel vai me trazer a certeza de felicidade, garantirá que o amor vai perdurar por anos a fio. Por valorizar tanto o sentimento, desvalorizo assinaturas. Papel não impede de um trair o outro, de agir com indiferença, de faltar com lealdade, tornar o parceiro só um companheiro de cama. O amor sim. O amor, o respeito, é a base de um relacionamento, o que sustenta. Quanto aos outros atributos eu não posso garantir. Porque então deve-se acreditar que a tradição é importante? Continuo a acreditar que é só mais uma tradição no meio de tantas outras.

Contudo, quando exponho que nunca almejei um casamento tradicional, não quer dizer que eu odeie essa forma, que eu nunca possa vir a me casar assim. Mas nunca aspirei por isso, não aspiro. Até porque, penso em uma união diferente, uma benção organizada por mim e por um possível noivo. Algo exclusivamente nosso, porque o amor é nosso. Sem juramentos, sem padres, cartórios. Tudo de forma Simples, do jeito que o amor deve ser.





5 comentários:

.Intense. disse...

Gostei do post, Van (sobretudo, ando gostando de te ver postar de novo!).

É, eu sou uma dessas pessoas que nunca ficou viajando em entrar toda de branco, véu e grinalda ao som da Marcha Nupcial na igreja e talz.rs...Acho tudo mto exagerado.

Mas, em verdade, sonho sim com uma cerimônica. Pequena, mas chique, restrita, só as pessoas que realmente importam pro lance todo da coisa: a união do casal. Penso em escolher um vestido legal, algumas músicas inteligentes, uma aliança bonita...e, nunca parei pra pensar na necessidade de oficializar o amor, se existe ou não. Uma única vez sonhei com isso - e ainda sonho - mas meus sonhos vão mais além...e, meu amor tb.

;)

Cris disse...

Va,

achei estranho mesmo, por ter lido a obra dele quase inteira e nunca ter visto nada parecido, mas uma pessoa me garantiu que era dlee e nem fui pesquisar. Obrigada pelo aviso!

beijo!

Day Pinheiro disse...

Eu também quero dispensar esses métodos 'tradicionais'.

Y a s h a disse...

Sabe? Também nunca sonhei com essa coisa toda de vestido, véu e grinalda, mas já pensei em algo em local aberto, com um gramado enorme, coisa que eu já presenciei e amei. Também acredito que é fundamental a tal benção organizada pelos dois, independente disso tudo.

E a verdade é: se aqueles juramentos todos de igreja e documentos de cartórios fossem tão válidos não haveria divórcio. haha.

:*

Jéssica disse...

É, concordo com você. Atualmente essa coisa de véu e grinalda e igreja ornamentada tá muito batida, só se casa assim quem é tradicional mesmo (geralmente é por influência da família).
Eu prefiro nem pensar em me casar, e se isso um dia vier acontecer, que seja com divisão de bens pra não dar briga no final.

;**
Adoro aqui! E bem que eu queria estar apaixonada por um felino, mas não posso nem tenho um para isso :(