sábado, 9 de maio de 2009

Acostumar.

"Deve ser da vida acostumar..."
Jogada em meio a uma rotina, passei a observar a linha tênue entre costume e automação. A maneira abrupta e automática que estamos fazendo as coisas. Nunca tive problemas com o rotineiro, com ações repetidas, portanto que elas não me fizessem mal. Apesar de me encontrar com uma visão embassada diante da vida rápida, seria demais não enxergar que nos acostumamos todos os dias com o que nos agride, nos desola.

Acostumamos em acordar em cima da hora e engolir o café da manhã, acostumamos a ser enrolados num relacionamento, a dormir num colchão que já não está mais bom, acostumamos com o mau serviço da nossa operadora de celular. Acostumamos em aturar aquele chato de galocha, a trabalhar com o que não nos interessa, em ouvir a música que todo mundo ouve e não gostamos, acostumamos em pegar ônibus lotado, em sair com medo nas ruas.
Acostumamos com as perguntas automáticas que recebemos, com as respostas impensadas que damos. Acostumamos a esperar mais de 15 minutos na fila de um banco, em passar o final de semana trabalhando. Acostumamos a ser pressionados, em dormir menos de 8 horas por dia, a não receber mais palavras de afeto, acostumamos em não ser isso ou aquilo que queremos. E no final da contas, eu me pergunto: pra quê?
Se é mesmo da vida acostumar, eu quero acostumar a não me acostumar....

11 comentários:

Daniel Abreu disse...

Estava outro dia a conversar com meu "chefe", justamente sobre auomatismo. Ele é formado em psicologia, tem diversos cursos de meditação, e falava justamente que é perigoso ficar nas mãos das respostas automáticas. Principalmente pra "nós".

=]

Legal seu raciocínio, mostra mais uma vez, que você não é qualquer pessoa.

Pequena Poetiza disse...

mesmo buscando segurança... quando a temos demais queremos fugir dela
o costume é uma forma de segurança
mas o costume não pode virar obrigação... dever... pq sempre nesses coisas terão pressão e dívidas. sempre falta
nunca basta


gostei mt
e ultimamente tenho olhado pra minha vida e visto o q naum é costume?
pq eu não sei não ver...
beijos

Ane Talita disse...

Eu faço de tudo pra não me acostumar...

;)

tomara que dê certo!

beijos, bonita

Maria Fernanda disse...

Pois então não se acostume.

Lydia disse...

Eu faço de tudo pra não me acostumar... [2]

Beijão!

Y a s h a disse...

Tenho dois selos pra você. :)

;*

.Intense. disse...

Van...esse texto me lembrou o da Marina Colasanti, 'Eu sei mas não devia'...ela fala das coisas que a gente sabe que se acostuma, mas não devia acostumar. Se quiser, me diz q te mando depois - se bem que se jogar no Google vc vai achar em um monte de blogs.

bjo bjo
;*

- εїз Fabi εїз - disse...

Seria bom acostumar a não acostumar, porque o que dói, é desacostumar!

Gosto muito do teu blog.

Beijos

Mine Tawil disse...

Nessinha, eu passei o segundo ano de SESI inteiro pensando nisso, na forma automática como as coisas funcionavam lá, e talvez tenha sido o maior motivo da minha saída...
A gente se adequa a tantas situações que não nos agrada, que no final das contas um momento de prazer são 15 minutos no final do dia... Vamos abrir essa campanha "Não se acostume!" =DDD

;*

Day Pinheiro disse...

Que verdade isso! E você me acordou de um sono profundo agora. Logo eu, que vivo dizendo que não me acostumo com o que é ruim. Que mentira! Tô acostumada com isso tudo e até com coisas piores. E nem havia notado! Obrigada, querida! Suas palavras são sempre úteis. Voltei. E voltei com saudade.

Y a s h a disse...

"É, pode ser que a maré não vire; pode ser do vento vir contra o cais; e se já não sinto teus sinais, pode ser da vida acostumar. Será, Morena?"

A cada dia eu tenho mais certeza disso, que as pessoas estão simplesmente se acostumando "fazer o que, se tem que ser assim?". Mas não. Não acho que tenha que ser assim, há não ser que você queira que seja assim.
Então, "Se é mesmo da vida acostumar, eu quero acostumar a não me acostumar...".

;*****