segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

O dia que você nasceu em mim.

Só agora pude perceber quando você brotou em mim. Foram nas primeiras trocas, nas confissões. Tenho certeza, ali você nasceu aqui. Alguém passa a nascer em mim depois que se revela. Eu te senti nu, sem meias verdades, sem insinuações. E a cada revelação, foi crescendo. Já não era mais semente em meu interior, era algo maior. Mas coisa grande se tornou mesmo quando eu, diante de você, senti que da nossa boca saiam mais do que palavras. Com você crescido em mim, te entreguei a permissão de aqui viver, de me acompanhar nos contornos lindos do nosso caminho. Até então, achava que ter te encontrado era obra do acaso.
Hoje, digo que é sorte.

6 comentários:

.Intense. disse...

Sorte sim, Van. E toda energia positiva do mundo pra vcs - amei a foto do msn ontem.

=)

A propósito, obrigada pelas palavras ontem...vou me lembrar da nossa conversa sobre 'tirar os pés do chão'.

=p

Maria Fernanda disse...

Que delícia que é ter uma pessoa morando dentro da gente!

Jéssica disse...

Ai ai, nem comento mais nada sobre esses dois. Prevejo muitos e muitos posts desse tipo por aqui... ahhaha :D


Tu já visse o filme? Eu aconselharia a ler o livro antes do filme, já que tem muita coisa no livro que não aparece no filme e vc pode achar estranho. Mas eu ADOREI os dois de formas singulares =D

;*

Lydia disse...

E eu gosto tanto de ler coisas do amor, apaixonadas.
Que a sorte continue entre vocês.
Beijão!!!

Bárbara Fróis disse...

Nossa você escreveu muito bem. AMEI!
Vou aparecer por aqui sempre!
Bejos

Pequena Poetiza disse...

ah que bonito isso meu bem
aproveite cada momento

beijos